Pacific Crest Trail S01E102

Dia 102

Creek

56 km hoje

3489 km total

Matemática, cálculos, planejamento. Passo os dias contando quanto falta, quanto preciso andar, qual a distância até o próximo camping, quantos quilômetros por hora preciso fazer.

Acredito que chego à fronteira dia 28 de agosto, quarta, ainda antes do feriado. A comida que comprei no posto de gasolina de Skykomish da pra mais um dia. Ou ando “pouco” hoje e amanhã e vou a Stehekin ou pego pesado, chego a Mazama, passo a noite lá e sigo dia seguinte. Decidi pela segunda opção.

A meu favor tenho o fato que estou na minha melhor forma física (a dor na bacia passou) e que o tempo está bom: friozinho gostoso pra caminhar. Contra mim tem o ganho de elevação em Washington, que está bem similar ao que é a Appalachian Trail.

Acordei com neblina encobrindo tudo e segui morro acima. Teria pela frente um ganho de 700 metros em 7 quilômetros, depois uma descida de quase 20 quilômetros e perda de mais de 1000 metros de elevação, depois outra subida com ganho de 1100 metros… uma montanha russa.

Tentava chegar ao Cedar Creek, um camping grande e estruturado. Já final do dia ia descendo o último trecho quando precisei cruzar um rio. Havia uma ponte ali, que foi levada na última enchente. Minhas opções era um tronco que não parecia seguro ou enfiar o pé na água. Optei pela segunda. E com os pés e tênis molhados aproveitei pra lavar as meias…

Com a noite já chegando resolvi acampar por ali mesmo: apesar da área ter sido arrasada primeiro pela água depois pelo fogo. Mas não ventava, o céu estava claro e a possibilidade de alguma árvore cair sobre minha barraca era mínima. E eu já tinha feito mais de 50 quilômetros. Procurei um local que me parecia seguro (ou menos arriscado) e dei o dia por encerrado.

Leave a Reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.