Dicas pro seu final de semana – se você for ficar em casa

capa.jpgEspero que você saia e faça alguma atividade no meio do mato esse final de semana. Mas se for ficar em casa aqui estão algumas dicas para o seu final de semana:

Fiquei impressionado com a Barkley Marathons. Nunca tinha ouvido falar até comentarem comigo do documentário que está rolando no Netflix. The Barkley Marathons: The Race That Eat Its Young conta a história da prova que em 25 anos de história apenas dez corredores que conseguiram completar. Peculiar, diferente e cheia de surpresas (o horário do início da prova, por exemplo, só é avisado para os competidores uma hora antes) a corrida é inspirada na fuga de um presidiário e acontece nas montanhas nas proximidades de uma pequena cidade do Tennessee. É uma prova sofrida, cheia de particularidades e o documentário vale uma hora e meia do seu tempo. Vai por mim.

Também é bem bacana o filme This is Not a Beautiful Hiking Video, do austríaco Peter “Chopper” Hochhauser. Gravado na Pacific Crest Trail em 2016, ele é o inverso do que o título prega. O curta (são menos de 10 minutos) tem boa fotografia, história da caminhanda bem contada, edição de imagens e correção de cores bem feitos. Tudo isso já rendeu ao vídeo meio milhão de visualizações no YouTube. Nesse link ele responde a algumas perguntas sobre a caminhada e o processo de realização do filme.

Falando em PCT, tenho acompanhado a jornado do Edinho e da Bia do Sua Casa é o Mundo. Os  brasileiros estão lá esse ano e cem dias de caminhada acabaram de cruzar a fronteira da California com Oregon. Além do blog eles mantém também um canal no Youtube e já gravaram alguns podcasts com o Elias para o Extremos.

A Martins Fontes tem colocado alguns bons livros sobre caminhada no mercado. Além do essencial “A História do Caminhar” da Rebecca Solnit e do incrível “Caminhar, Uma Revolução” do Adriano Labbucci agora é a vez de “Nascemos para Caminhar”, do canadense Dan Rubinstein. O livro estava com 40% de desconto no site da editora na semana passada, quando comprei, mas agora o melhor preço é nas Americanas (de R$39,00 por R$27,30 mais correio). Ainda estou nas primeiras páginas, mas tenho gostado bastante do que li até aqui.

36844426_1SZ

Também incrível é o trabalho que a Duda Menegassi. A jornalista e fotógrafa escreve para site O Eco e tem acompanhado de perto o projeto de implantação de trilhas de longo percurso no país. Tão de perto que acabou de lançar o livro “Travessias: Uma Aventura Pelos Parques Nacionais do Brasil”. O projeto é fruto da parceria entre O ECO e o ICMBio – Instituto Chico Mendes da Biodiversidade e traz textos e fotos de onze trilhas, incluido a Serra Negra, no Parque Nacional do Itatiaia; a Trilha Chico Mendes, no Acre e a Capão x Lençois, na Chapada Diamantina. Fundamental, o PDF gratuito do livro pode ser baixado aqui.

Screenshot 2018-08-15 19.05.06.png

Dica pra quem se interessa pela criação do circuito de trilhas de longa distância no país: diversos workshops, seminários e multirões estão pipocando aqui e ali. Em Minas a Transespinhaço já teve parte de seu percurso demarcado e 3º Seminário acontece dia 1 de setembro em Ouro Preto. A Transmantiqueira também já tem parte de sua sinalização pronta e o 5º seminário acontece esse final de semana em Itamonte. A melhor forma de acompanhar os trabalhos e se informar sobre os seminários é pelas páginas nos links acima. Só seguir e se informar.

Pra terminar, um dos poucos equipamentos que não abro mão em caminhadas é o Spot Gen 3. Me sinto seguro e mais que isso: deixo seguro quem fica em casa me acompanhando, já que o bichinho envia minha localização a cada 5 minutos pra um site. E você só tem esse final de semana pra aproveitar a promoção da Spot Brasil, que está dando 50% de desconto nos produtos e 25% de desconto na anuidade. Sim, vale a pena. E só vai até segunda, dia 20. Como diriam os Mutantes: não vá se perder por aí… O link direto para a promoção é esse.

 

Anúncios

Estrada Real – o vídeo

Em 2016 eu resolvi caminhar a Estrada Real. Durante o mês de junho andei de Diamantina ao Paraty. Foi a primeira parte do treinamento para a Appalachian Trail, que eu faria no ano seguinte.

Durante a caminhada eu gravava e postava vídeos diários no Facebook, além de escrever relatos diários aqui no blog. Ano passado subi os vídeos para o YouTube e agora resolvi editá-los na sequência. Incluí algumas fotos que tirei durante a viagem e o resultado é o vídeo abaixo. Quase 50 minutos de uma história que durou 32 dias.

Foi bom voltar a essa história e rever alguns dos personagens que conheci naquele ano. O Dedé, o José Sebastião, o Alberico, o Anemércio, o Jorge…. Foi bom rever as cidades, as paisagens, os causos da caminhada. Ouvir de novo as siriemas, os tucanos, o barulho da mata. Tá tudo aí. Bom filme.

 

A trilha da trilha

Eu fico pensando como vai ser depois que chegar, que tiver completado a trilha, que estiver no alto do Katahdin (se é que vou chegar ao topo do Katahdin). Fico pensando nos amigos, na família, no que aconteceria se eu desistisse e na primeira vez que encontrar essas pessoas depois do final da trilha.

“O amor verdadeiro vai me encontrar no final”, é isso que eu penso…

A trilha da trilha: Maine

Quando você estiver lendo este post eu devo estar chegando aos Estados Unidos. Saí ontem, segunda, dia 10 de abril, de Belo Horizonte rumo a Orlando. De lá sigo de ônibus até Jacksonville, também na Flórida, e depois para Atlanta, onde uma van vai me levar até o parque de Amicalola Falls. É ali onde realmente começo a jornada.

Cruzar os Estados Unidos por 14 estados, andar 3.500 quilômetros e chegar ao topo de uma montanha quase só de pedras. Andar por 150 dias na floresta, fazer novos amigos, ver animais como ursos e alces em seus habitats naturais, explorar uma das maiores e mais antigas trilhas do mundo. Esse é o plano para os próximos cinco meses.

Venho postando aqui músicas que representam um pouco essa jornada. Ou melhor: que representam os estados por onde essa jornada passa. Alguns vão dizer que A Horse With No Name, do America, não seja uma boa faixa para encerrar o playlist. Mas pra mim tanto a letra (“Na primeira parte da jornada eu estava olhando para toda vida. Havia plantas, pássaros, pedras e coisas…“) ao nome da banda e ao estilo musical, tudo nela representa bem o que espero encontrar pelas próximas semanas. Mesmo que a música não seja sobre a Appalachian Trail. E mesmo que eu não esteja no deserto. Ou a cavalo… Mas vocês entederam o recado.

Vocês vão poder acompanhar a jornada por aqui, no Instagram, nos podcasts com o Portal Extremos, no Twitter. Vou tentar deixar vocês atualizados o máximo possível.

 

A trilha da trilha: New Hampshire

Outra banda que ouvi muito, mas que nos últimos discos deixei de escutar. Essa New Hampshire, do Sonic Youth, é do Sonic Nurse, de 2004. Não ouvi esse disco tanto quanto o Sister ou o Evol ou o Dirty ou o Goo ou o Washing Machine ou o Experimental Jet Set, Trash and No Star… Caramba, como essa banda tem disco bom, né não??

A trilha da trilha: Vermont

Rapaz, como eu ouvi esse disco na minha adolescência! E depois passei anos sem escutar… Mas quando comecei a fazer a seleção das músicas da trilha me lembrei de Moonlight on Vermont, do Captain Beefheart.

Eu disse que à medida que a trilha ia subindo rumo ao norte tudo ia ficando diferente, né? Pois é…

“Moonlight on Vermont affected everybody!”