Pacific Crest Trail S01E68

“Garota, eu estou impressionado!”, foi a primeira coisa que disse quando vi que eram Blueberry e Tarzan que estavam acampando do meu lado, nos piores lugares possíveis pra montar as barracas, apesar de terem outros lugares melhores por perto. Tarzan ainda dormia e ela acordou quando eu fazia o meu café; às 6:00 da manhã. “A gente estava se sentindo bem e resolvemos continuar. Chegamos aqui meia noite. Você ouviu alguma coisa?”. Eu não tinha escutado nada até 2:30 da manhã, quando acordei e ouvi o barulho de um colchonete inflável. E quase não dormi depois…

Tarzan continuou dormindo e Blueberry e eu saímos determinados a cruzar juntos a fronteira com o Oregon. E aquele final da Califórnia reservou pra gente alguns personagens surreais.

O Anderson estava numa das estradas que cortam a trilha. Quando cheguei Blueberry falava com ele ao lado do seu carro. Ele deu a ela algumas amêndoas, as melhores que já comi. “São da minha empresa de orgânicos que tenho com um sócio no Peru. São germinadas. Coloque na água da noite pro dia e elas vão ter dez vezes mais vitaminas”, ele dizia. Com uma camiseta velha do Greateful Dead e aquele típico visual hippie, ele já tinha ido a alguns lugares no Brasil. “Chapada Diamantina? Incrível. Alto Paraíso? Aquele lugar é mágico. E eu prefiro a cerimônia do Daime no Brasil que no Peru…”

Depois foi a vez do Ötzi. Era como ver um gnomo na floresta, com sua roupa verde e grande chapéu vermelho. “Eu dou trail name pra todo mundo que ainda não tem”, ele dizia. “Sou a pessoal que mais deu trail names. Vai estar no meu livro”. E continuava: “você conhece a história do Ötzi? Já foi a Veneza? Procure. É o assassinato não resolvido mais antigo da história…”

Numa cabana abandonada quase chegando na divisa enchi minha garrafa de água pra continuar. Às 18:30 Blueberry e eu cruzamos a fronteira. Abrimos as cervejas que estávamos levando desde Seiad Valley, tiramos fotos, fizemos selfies e andamos pouco mais de duzentos metros até chegar a um lugar onde acampamos.

O sentimento de cruzar a fronteira é incrível. Mesmo sabendo que é algo simbólico, que na prática nada mudaria dali pra frente e a trilha continuaria sendo a trilha, passar aquele marco te da mais energia. É uma etapa vencida. Novo estado, nova fase na caminhada. Que venha o Oregon. Que comece o desafio.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.