Appalachian Trail S01E131

Dia 131, 23/08: Katahdin Stream Campground, The Birches Lean-tos (2184.6) a Katahdin, Baxter Park, Northern Terminus of the AT (2189.8)

Distância do dia: 5.2 + 5.2 milhas | 16,73 km

Distância total: 2189.8 + 8.8 + 5.2 milhas | 3546,67 km

Distância que falta: 0 milhas | 0 km

Dias que faltam: 0

Sabe criança na véspera de natal? Goleiro antes do pênalti? Aquela ansiedade, aquele desejo de ao mesmo tempo e prolongar aquele momento mas querendo que ele aconteça rápido? Eu estava assim ontem a noite. Já não venho dormindo bem há alguns dias – o corpo doi, o osso da bacia dói quando viro, as pernas doem todo o tempo, os pés latejam, a cabeça não para – mas essa noite foi pior.

Às cinco em ponto ouço Wash Bear dizendo “bom dia”, em português mesmo. Éramos só os dois no abrigo. Senator havia ficado sozinho no outro – cada um cabia 6 pessoas – e mais um hiker que a gente não conhecia estava acampado. “E aí? Como está se sentindo?”. Ele também não sabia explicar muito bem. “É hoje, cara. Acabou. O dia vai ser lindo”, ele disse.

A gente tinha planejado esse dia há mais de um mês, quando compramos as passagens aéreas e decidimos que iríamos caminhar juntos até o final. Fizemos nosso planejamento de milhas por dia de caminhada e seguimos firme. Perdemos um dia quando decidimos não subir Wildcat com chuva e tiramos o atraso nas 100 Miles Wilderness. Funcionou super bem. Mas pra funcionar totalmente precisávamos do dia lindo hoje.

Ontem, como prevíamos, choveu toda a noite. Muito. Mas naquela hora, às cinco da manhã, ainda clareando, a chuva já estava minguando. Decidimos sair os três juntos quando o dia clareasse. Deixamos o acampamento às oito. Eu e Senator deixamos a maior parte das nossas coisas no posto dos guarda florestais. Fomos com o básico: mochila, água, blusa de frio, uns lanches. Wash Bear, cabeça dura, levou tudo.

O início da subida a Katahdin é tranquila. As primeiras duas milhas das 5.2 milhas até o topo são em a ascensão gradual, tranquila, sem pedras. Mas quando chega a hora de subir de verdade a história muda. Katahdin tem mais de 5 mil pés de altitude e as próximas 3 milhas são de escalada. O tempo abria e fechava, com neblina cobrindo tudo, a cada cinco minutos. Fazer isso com chuva é impensável. Bastões de caminhada são quase desnecessários. Quando se chega acima do nível das árvores a coisa fica mais simples. Uma subida pesada, nas pedras, mas bem mais fácil que os paredões que você acaba de passar. E quando você vai subindo já dá pra ver lá no alto a placa que marca o final da Appalachian Trail.

Se tem um momento que eu queria que alguém tivesse fotografado foi o exato segundo quando chegamos ali. Eu vinha na frente, Wash Bear depois, Senator por último. Paramos na placa, os três colocaram a mão na madeira, olhamos um pro outro e não falamos nada. Não precisava. Cada um vivia ali, naquele instante, a realização de um sonho.

“Tem uma coisa sobre o final da trilha que eu preciso te falar”, eu disse sério pro Wash Bear no dia anterior. “Eu vou chorar. Eu vou tirar muitas fotos. E eu preciso gravar um vídeo pra Lis, onde eu finco a bandeira e falo o nome de todo mundo na nossa família”. Ele respondeu: “ok. Talvez eu chore também. E me lembre que eu preciso pegar uma pedra de Katahdin pra coleção da minha esposa”.

“Você precisa pegar uma pedra”. Foi a primeira coisa que eu falei. Tirei a mão da placa, sentei e chorei. Muito. Soluçava e as lágrimas caiam em abundância. Wash Bear colocou a mão no meu ombro. Ele também chorava. Enxuguei as lágrimas, levantei e ele me deu um abraço. “Acabou. Conseguimos, cara. A gente andou 2200 milhas!”, ele disse.

Uma coisa que preciso falar sobre Katahdin: a trilha da Appalachian Trail não é a única forma de chegar ali. Existem pelo menos outras três trilhas que levam até lá. A AT, dizem, é a mais difícil. Mas por causa das outras o lugar tá sempre cheio. Quando a gente tava lá tinham mais umas 20, entre day e thru hikers. E como a gente tinha acabado de acabar e sabia que a AT era difícil escolhemos descer pelaaod fácil das trilhas.

Mas a mais fácil não é tão mais fácil assim. “Tenho certeza que isso aqui foi um desmoronamento e os caras falaram: olha! Temos uma trilha nova!”, disse o Wash Bear. A sensação era mesmo essa.as pelo menos dava pra ver onde a gente estava colocando os pés.

Na chegada ao estacionamento o pai do Senator esperava pela gente, com sanduíches e cervejas. Nossa comemoração foi ali. Um brinde, um sanduíche e estrada pra Millenocket.

Acabou. 2200 milhas. 3500 quilômetros. 131 dias. 5.000.000 de passos. A coisa mais difícil que já fiz na minha vida. Uma aventura incrível.
EA263647-C43F-44E4-A3AA-7A3BD18E8EC7IMG_20170823_101044IMG_20170823_103915_170IMG_20170823_120853P8230192P8230280P8230302-2

Anúncios

6 comentários sobre “Appalachian Trail S01E131

  1. Jeff, acompanhei sua trilha pelo Extremos e queria deixar aqui meus parabéns e até mesmo o agradecimento por compartilhar as emoções, experiência e dores do trajeto.
    Naturalmente, é uma grande força motivadora. Enquanto a gente fica nessa correria do cotidiano, acaba passando o tempo. Ouvir sua história me lembrou de dar uma parada na rotina louca e planejar minhas trilhas. Nunca tinha imaginado uma de tão longa distância, mas agora mudei minha visão. Acho que é o momento de uma trilha de mais de 100km (ok, essa distância é coisa de criança depois da Appalachian).
    Mais uma vez, parabéns pela conquista.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s