História

Minha primeira caminhada de longa distância foi em 2015. Quase 500 quilômetros (oficialmente foram 420, na minha marcação de GPS 485km) entre Tambaú, interior de São Paulo, e Aparecida, cruzando o sul de Minas e a Serra da Mantiqueira.

A segunda está programada para maio de 2016. A Estrada Real, em Minas, partindo de Diamantina. Serão mais de mil quilômetros, refazendo a rota do ouro e diamantes saqueados das Gerais. A terceira acontece em 2017, onde pretendo fazer 3500 quilômetros, seguindo uma cadeia montanhosa nos Estados Unidos.

Antes disso as caminhadas existiam, mas era curtas. Lembro de ainda criança passando pela Lagoa do Zé Capitão e subindo o Morro do Pito Acesso pelo mato, pegando gabirobas e gravatás pra comer pelo caminho e cruzando áreas que naquela época pareciam tão distantes e remotas quanto as Smoky Mountains, apesar de não estarem a mais de um quilômetro da minha casa. Depois fiz passeios pela Patagônia, pelas praias no sul da Tailândia, bush walks nos arredores de Sydney e pelo cânions do deserto australiano. Mas sempre passeios curtos onde, ao final do dia, estava de volta ao conforto de uma cama e um banho quente.

Foi com Caminho da Fé que as coisas começaram a mudar. Programava um passeio – eu chamo essas caminhadas, que podem durar até 6 meses, de passeios – para quando voltasse ao Brasil, depois de dois anos morando na Austrália. Sabia do Caminho das Missões, no Sul, e havia ouvido falar do Caminho da Luz, em Minas. Mas a opção pelo Caminho da Fé foi pelo fato de nele eu poder estar sozinho durante a maior parte do tempo. Não precisaria estar em um grupo, não era obrigado a seguir o passos de outras pessoas. Queria fazer a minha caminhada, no meu ritmo, do meu jeito, com meus pensamentos. Hike my own hike, como dizem.

Hoje tenho a coragem e condições para caminhadas que antes achava não ser capaz de fazer. Mas estou mais para Bill Bryson que Chris McCandless. Não tenho mais 20 anos: tenho quase quarenta e cinco. E  não quero ir sozinho para a natureza selvagem: quero apenas uma caminhada pela floresta.

***

1 Bill Bryson é um escritor americano, autor do livro ‘A Walk in the Woods’.

2 Chris McCandless é o nome do personagem (real) do livro Into the Wild, de Jon Krakauer.

Anúncios