Bonobo ao vivo na Sydney Opera House

Uma coisa é certa: boa parte das pessoas que vão a um show/concerto/evento na Opera House de Sydney vão sem ter ideia do que as espera. Para elas, a atração é o espaço, o prédio símbolo da Austrália.

 

foto 1Pode ter sido isso que levou o show do Bonobo, marcado para uma segunda-feira, mas no bem no meio da alta temporada australiana, a esgotar os quase 3 mil ingressos disponíveis para o grande teatro em poucos minutos. Ou talvez tenha sido porque a primeira apresentação dele por aqui, em 2011, também tenha esgotado e gerado excelentes resenhas. Ou inda seja o fato de The North Borders, último disco do projeto inglês estar em várias listas de “melhores de 2013” e a música Cirrus em alta-rotação na rádio indie local, a FBi – a rádio foi, inclusive, a promotora do show.

Independente da resposta, a alta procura pelo show fez a organização marcar um segundo, no mesmo teatro, no mesmo dia. Assim, Simon Green e seu grupo subiram ao palco primeiro as 7 e depois as 9h30 da noite de hoje, segunda, 6 de janeiro de 2014. Foi esse segundo show, também esgotado, que assisti – em minha segunda visita ao teatro (a primeira foi pra ver Calexico).

Cirrus, o hit, é quem abre o show, com Green sozinho no palco, pilotando um pad de bateria eletrônica e dois controladores (em outras músicas ele assume também o baixo). Aos poucos o resto do grupo que o acompanha ao vivo vai entrando: primeiro um baterista, depois um guitarrista, mais um músico em outro teclado, um outro no sopro… E em certo momento são doze pessoas no palco, incluindo também uma vocalista, um naipe de sopros e outro de cordas.

O repertório do show é focado nas músicas do excelente The North Borders, mas passeia por músicas dos cinco álbuns do Bonobo em quase 15 anos de carreira. Alguns momentos são relax, tranquilos, trip hop beirando o soul (em especial  aqueles com a participação da vocalista Szjerdene). Em outros era preciso conter o ânimo de australianos dançando pelos corredores da Opera House – quase sempre aqueles com Green sozinho no palco ou apenas acompanhado pela bateria de Jack Baker e pelos sopros do multi-instrumentista Michael Lesirge. Lesirge e Baker são também responsáveis por um dos momentos mais inusitados dos show – onde sozinhos no palco fazem uma jam session de bateria, saxofone e efeitos que leva a platéia ao êxtase. Uma iluminação simples mas extramemente precisa fazia o complemento da apresentação.

A turnê australiana continua com shows em Melbourne e Adelaide, antes de seguir para a Asia e Europa, onde o grupo se apresenta em diversas edições do Sonar (Reykjavik, Stockholm e Barcelona). É torcer para que o Brasil esteja na agenda.

foto 4

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s