Uma volta no Fim do Mundo (continua…)

Não é fácil chegar ao fim do mundo. Partindo da capital argentina, são três horas e meias de voo até Ushuaia, na Terra do Fogo, a auto-proclamada cidade mais ao sul do mundo (há dúvidas quanto ao título, dividido com uma colega chilena). Soma-se a isso as outras três do voo que partiu de São Paulo e o tempo no ar é o mesmo que uma viagem aos Estados Unidos. No meu caso específico, a viagem demorou mais de um dia.

Partiria de Belo Horizonte (acrescente aí mais uma hora no avião) as 10h30 com destino a Buenos Aires, com uma rápida conexão em São Paulo. Mas a Tam me informou dias antes do embarque que o voo havia sido cancelado e eu seria relocado em um voo mais cedo, às 6h02. O que implica, na melhor das hipóteses – check in feito pela Internet, para adiantar – chegar no Aeroporto de Confins as 5h. Isto é: acordar as 3h45, pegar um taxi as 4h15… Assim o fiz. Ainda dormindo no momento do despacho das malas, não vi que haviam sido etiquetas até o destino final e que o meu segundo bilhete, de São Paulo à capital argentina, continuava inalterado, com o voo programado para as 14h20. Não adiantou pedir, insistir, argumentar. De “se o senhor não tivesse despachado bagagem poderíamos adiantar seu voo com certeza” a “infelizmente os dois próximos voos estão com capacidade máxima de passageiro” passando por um “se mudássemos o senhor teríamos que recalcular todo o peso de carga da aeronave”, não houve desculpa que os funcionários da companhia me deram que me convencesse. A verdade era “não estou com saco para pedir pra buscar sua mala. Se quiser aguarde as próximas 7 horas aqui. E não ouse sair: terá que pagar uma nova taxa de embarque se fizer”. Sem uma lanchonete minimamente digna e sem alternativa, simplesmente esperei o tempo passar andando pelos corredores de Cumbica.

Em Buenos Aires a conexão, eu já esperava, seria mais complicada. Com o voo da Tam chegando em Ezeiza, o aeroporto internacional nos arredores da cidade, meu voo para Ushuaia sairia do Aeroparque, na região central. O que eu não esperava, entretanto, era uma paralização dos caminhoneiros argentinos, fazendo o trajeto, que normalmente é feito em 45 minutos, durar mais de três horas.

20120331-092822.jpgO voo da Lan com destino ao fim do mundo sairia no aprazível horário de 4h45 da manhã e chegaria a Ushuaia pouco depois das 8h. Meus planos , que era chegar em Buenos Aires ainda dia e descansar em um hotel até a hora do voo para chegar inteiro no meu destino final, foi substituído por horas no trânsito, entediado, cansado, com sede e com fome. No final, foram pouco mais de 2 horas de sono mal dormido.

Antes, contudo, um jantar merecido no El Federal, me fez relaxar e esquecer os problemas. O local, na Av. San Martin, próximo à praça do mesmo nome, sempre me passava despercebido. Preferia os vizinhos Dada e Filo. Eleito por algumas publicações como um dos 10 melhores restaurantes de Buenos Aires, resolvi experimentar o menu degustação do El Federal.

Com pratos que buscam expressar a culinária de várias regiões do país, o cardápio do lugar é no tamanho certo, com pouco mais de uma dúzia de opções entre entradas e principais. Na degustação são 6, começando por uma ótima empanada de queijo saltenha. Na sequência um bolinho de peixe do Rio Paraná e uma excelente sopa de milho preparam o paladar para dois pratos principais: a merluza negra, pouco temperada e, no outro extremo, um cordeiro patagônico cozido no Malbec, com sabores agudos e marcantes. Todos os pratos, incluindo o mix de sobremesas que fecha o menu, grandes o suficiente para serem divididos por duas pessoas.

 

2012-04-07 11.40.53-1O menu, com preço fixo de 250 pesos (aproximadamente 110 reais) serve ainda duas taças de vinho, branco ou tinto, o que faz dele uma boa opção para compartilhar. Se é realmente um dos melhores restaurantes da capital? Não na minha opinião.

Anúncios